quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

8 de janeiro



8 de janeiro

1890 - Rondon gradua-se em engenharia militar



O alferes Cândido Mariano da Silva Rondon recebe da Escola Militar do Rio de Janeiro o título de engenheiro militar e o diploma de bacharel em Matemática e Ciências Físicas e Naturais. 55 dias antes, por influência e sob as ordens de seu superior Benjamin Constant, participou da proclamação de República como estafeta do Exército.

FONTE: Esther de Viveiros, Rondon conta sua vida, Cooperativa Cultural dos Esperantistas, Rio, 1969, página 43.

domingo, 4 de janeiro de 2015

6 de janeiro


6 de janeiro

1905 – Rondon em Nunca-te-vi, distrito de Bela Vista

A passagem do jovem major Candido Rondon pela localidade de Nunca-Te-Vi, por ocasião da ligação do serviço telegráfico em Bela Vista, é assinalada por acontecimento que marca o perfil justiceiro e pacificador do célebre sertanista:

 “Curioso episódio se passou aí, quando estávamos em serviço na fronteira, nas proximidades de Nunca Te Vi. Em território brasileiro embora, era a população de Nunca Te Vi paraguaia – guaranis industriosos que desenvolviam suas lavouras, vivendo pacatamente. Foi quando revolucionários, expulsos do Rio Grande do Sul e que, vindos pela fronteira em busca de local onde se estabelecessem, deram com Nunca Te Vi. A pretexto de que não eram brasileiros, expulsaram os pobres guaranis de suas terras. Vieram eles procurar-me e eu consegui que o Presidente do Estado lhes reconhecesse e mantivesse a posse. Munido dessas credenciais, pude convencer os invasores de que se deveriam retirar pacificamente.” 

FONTE: Esther de Viveiros, Rondon conta sua vida, Cooperativa Cultural dos Esperantistas, Rio de Janeiro, 1969.

domingo, 19 de janeiro de 2014

sábado, 18 de janeiro de 2014

18 de janeiro

18 de janeiro

1848 – Morre no Rio de Janeiro, Antonio Luis Patrício da Silva Manso

Participou do Conselho da Presidência da Província de Mato Grosso, durante a Rusga, movimento nativista violento, que por mais de dez anos grassou em todo o Estado, com maior intensidade em Cuiabá e repercussão em Coimbra, Casalvasco, Miranda e nos sertões do Piquiri. Silva Manso, que em 1833, chegou a ser eleito deputado federal, foi indiciado como um dos responsáveis pelos morticínios ocorridos contra portugueses em Cuiabá, em 30 de maio de 1834, a noite mais violenta da Rusga.


FONTES: Revista do Instituto Histórico de Mato Grosso (1931-1932), página 170; Estevão de Mendonça, Datas Matogrossenses, (2ª edição) Governo de Mato Grosso, Cuiabá, 1973, página 264


18 de janeiro

1877 - Circula o primeiro jornal de Corumbá





Inicia circulação em Corumbá o primeiro jornal editado naquela cidade. Trata-se de O Iniciador, órgão "comercial, noticioso e literário, impresso em quatro colunas, era de propriedade e redação de Silvestre Antunes Pereira Serra, tendo como diretor técnico e editor o cidadão Manuel Guimarães.

Abria a primeira coluna o calendário da semana, com indicação das fases lunares. O Iniciador era impresso em prelo Marinoni (aliás o primeiro introduzido em Mato Grosso) tendo sido todo o material tipográfico adquirido em Assunção do Paraguai".

Uma curiosidade: sua tipologia não dispunha de sinais próprios à grafia portuguesa, motivo porque empregava, por exemplo, o algarismo 5 invertido, para substituir o C cedilhado (Ç).


FONTEEstevão de Mendonça, Datas Matogrossenses, (2ª edição) Governo de Mato Grosso, Cuiabá, 1973, página 50.